Vasinhos e microvarizes

Os vasinhos, ou telangiectasias, são vasos sanguíneos visíveis, localizados na superfície da pele, cujo tamanho não excede 1 mm de diâmetro. Podem acometer várias partes do corpo. Nas pernas, os vasinhos mais comumente estão associados às varizes (insuficiência venosa) em seus diversos graus. No entanto, em outras partes do corpo podem estar relacionados à exposição solar (vasinhos na face, no colo e no tronco). Os vasinhos ainda podem estar relacionados a doenças vasculares mais sérias como malformações vasculares ou mesmo doenças reumatológicas.

Os vasinhos dos membros inferiores estão diretamente associados à insuficiência venosa (varizes). Quanto maior a quantidade de telangiectasias (vasinhos) maior a probabilidade da presença de varizes. Por isso, não é possível dissociar o aparecimento de vasinhos e a necessidade de um exame clínico ou mesmo com métodos de imagem adicionais. A realização de exames ambulatoriais complementares, tais como fleboscopia (figura 1) ou realidade aumentada (figura 2) modificam o entendimento da origem e drenagem do fluxo dos vasinhos.

As telangiectasias e as veias reticulares também estão associados ao número de gestações. Quanto mais gestações a mulher tiver, maior a chance e a quantidade de vasinhos ela poderá ter. A idade também está relacionada com o surgimento de vasinhos e microvarizes.

 

fleboscópio
Realidade aumentada

As microvarizes

As microvarizes ou veias reticulares (figura 3) são veias varicosas mais calibrosas e se localizam em plano mais profundo que as telangiectasias. As microvarizes têm seu tamanho máximo de 3 mm. Acima desse tamanho, as veias são classificadas como varizes. Como dito previamente, estão relacionadas aos vasinhos mas também estão relacionadas com varizes mais grossas e insuficiência de veias perfurantes. Frequentemente são visualizadas a olho nú mas são melhor estudadas quando se usa a fleboscopia e a realidade aumentada. Também podem ser estudadas com o ultrassom-Doppler.

Microvarizes ou veias reticulares

(figura 3)- Microvarizes ou veias reticulares

Tratamento

Para que seja realizado um bom tratamento dos vasinhos e das microvarizes é imprescindível que uma avaliação clínica seja realizada. A história clínica do tempo de surgimento dos vasinhos e microvarizes, a relação com o número de gestações, uso de hormônios e hábitos de vida. O exame clínico identificará se essas alterações vasculares são isoladas ou associadas a varizes maiores (insuficiência das veias safenas ou veias perfurantes).

O tratamento dependerá da análise das informações obtidas acima. São algumas opções de tratamento:

  • Vasinhos (telangiectasias): escleroterapia, crioescleroterapia, escleroterapia com espuma, laser transdérmico e/ou CLACS (associação entre crioescleroterapia e laser transdérmico)
  • Microvarizes (veias reticulares): cirurgia de microvarizes (microflebectomias), escleroterapia, crioescleroterapia, escleroterapia com espuma e CLACS

A melhor opção terapêutica dependerá da análise do conjunto da história, exame clínico e exames complementares. É comum usar mais de um método no decorrer de todo tratamento. O mais Importante é que um médico cirurgião vascular ou angiologista estabeleça esse planejamento para que o melhor resultado seja obtido.

Informações importantes sobre as telangiectasias e veias reticulares

Deve ser lembrado que os vasinhos e as microvarizes são estágios de uma doença vascular crônica e evolutiva. Algumas considerações devem estar em mente:

  • Por mais que desejássemos (pacientes e médicos), os vasinhos e as microvarizes não são curáveis e não existe tratamento definitivo. Por outro lado, ao se adiar o tratamento fará com que a quantidade desses vasos aumentem progressivamente e, em algum momento, quando o tratamento for iniciado, será maior.
  • O tratamento obedece uma hierarquia: trata-se as causas e as consequências. Muitas das queixas de resultados decepcionantes do tratamento dos vasinhos decorrem de falta de planejamento por tratarem os vasos como mero “problema estético”.
  • Diferentemente do senso comum, há diversos tipos de vasinhos (e isso exigirá um post específico). Há as telangiectasias vermelhas (mais resistentes ao tratamento) e as azuis (com maior potencial de deixar manchas após seu tratamento).
  • Há situações nas quais o tratamento dos vasinhos é a última etapa do tratamento.
  • O profissional correto para fazer seu tratamento é o angiologista ou cirurgião vascular.

A doença varicosa tem se mostrado bastante complexa. A quantidade de conhecimento científico médico que se vem obtendo na última década no tratamento dos vasinhos e das microvarizes tem proporcionado cada vez mais melhores e mais eficazes resultados.

Fonte: Pathophysiology of telangiectasias of the lower legs and its therapeutic implication: A systematic review. Kern, P – Phebology – doi: 10.1177/0268355518756480


Dr. Robson Barbosa de Miranda é Angiologista, Cirurgião e Ecografista Vascular